Friday, July 19, 2013

Brazilian artists in exile



in 1968 Geraldo Vandré had already left Brazil fearing for his life. He recorded his EP in France.


The 100,000 march in Rio de Janeiro on 26 July 1968. Instead of hearing the sound of the streets the Dictatorship turned even harder. One can see Caetano Veloso, Nana Caymmi, Gilberto Gil, Paulo Autran & Tonia Carrero among many.


Edu Lobo & Chico Buarque holding a  banner 'Against Repression' and a fag in his fingers. 


both Gilberto Gil & Caetano Veloso exiled in London in 1969.


Chico Buarque left Rio de Janeiro, Brazil for Rome in Italy - Manchete 4 April 1970.


Tuesday, May 28, 2013

Memories are made of this



Brazilian press is openly conservative with a pench to be unabashedly right wing. Most Latin American countries sent their former dictators to jail, some for life like General Videla in Argentina. 

In Brazil contrariwise dictators are still at large. Most of them have already died and now their names have become streets, avenues and parks. Brazilians seem to have a very short attention span.


Military Police in Rio de Janeiro pursuing a man during the Dictatorship's repression days. 

1960 Presidential Election



João Goulart pledges his case...




singer-song-writer Rossini Pinto put music to some Janio Quadros verses and released it in this EP by Copacabana Discos.
in earlier times... Janio and Lott in the same photo. Janio would soundly beat the Marshall at the ballots.  

Marechal Lott.. always alert against usurpers and right-wing conspirators...
the Left ticket; Lott was defeated but Jango won as Vice-President.
Marshal Lott was pretty popular but not enough to win the election... Janio Quadros the right-wing candidate appealed to the masses in a way never seen before for a conservative politician.
Tancredo Neves was on the leftwing... 

Monday, May 13, 2013

OSCAR NIEMEYER


Oscar Niemeyer, the most famous Brazilian architect had been a member of the Brazilian Communist Party for the longest time.


Niemeyer having the National Congress building almost finished at his back... 1959.
Brasilia's Cathedral on Holland's national day.
Blue Moon 2015... some time in July.

Thursday, April 18, 2013

JUSCELINO KUBITSCHEK


Artistas do Radio visitam Presidente Juscelino Kubitschek no Palácio das Laranjeiras


Fileira da frente da esquerda p'ra direita: Violonista, Almira Castilho, Aglaê, Ademilde Fonseca, Agnaldo Rayol, Juscelino Kubitschek, Doris Monteiro, Mara Silva, mulher com estola. Na frente Alvarenga & Ranchinho; na 2a. fileira:  h. de terno preto, homen de oculos escuros, Aérton Perlingeiro, Jackson do Pandeiro (com violão), Orlando Silva, Gilberto Alves e Sidney Más (cantor e marido de Mara Silva).


Revista do Radio 22 October 1955.
These were the artists who voted for Juscelino Kubistchek: 

Oduvaldo Vianna
Nancy Wanderley 
Matinhos 
Francisco Bittencourt 
Urbano Lóis 
Domício Costa 
Hamilton Ferreira
Dias Gomes 
Lidia Matos 
Carlos Frias 
Moises Weltmann
Alberto Peres
Aerton Perlingeiro 
Amelia Simone 
Cícero Acaiaba 
Ênio Santos
Norma Geraldy
Arnaldo Amaral
Helio Tys
Mauricio Sherman
Teixeira Filho
Orlando Correia
Edmundo Peruzzi
Alaide Costa
Aliomar de Matos
Nestor de Hollanda
Nadia Maria
Maria Muniz
Jararaca
Helio Chaves
Neide Rodrigues
Nelson Nobre
José Renato
Celso Garcia
Braga Filho
Jairo Argileu
Mario Brasini

This list is really mind-boggling. When one looks up 'who voted for whom' one wonders whatever happened to ideology allegiance.

According to common sense Juscelino Kubitschek was the candidate of the political Left; Adhemar de Barros, a populist politician from S.Paulo would be a 'centrist' even though he would swing to the right at the drop of a hat... and finally Juarez Tavora was unmistakably the Rightwing candidate.

Then how can you explain Paulo Roberto, Paulo Gracindo and Mario Lago's votes for Juarez when they all belonged to the proscribed Communist Party (PCB) who supported Juscelino?

Adhemar de Barros was the candidate who got most of the 'real stars' (meaning real popular acts) like singers Marlene, Emilinha Borba, Eladyr Porto, Nelson Gonçalves and song-writers like Herivelto Martins, Ataulpho Alves and Humberto Teixeira.


Presidential election of 3 October 1955 in which moderate-Left candidates Juscelino Kubitschek won the Presidency and João Goulat won the Vice-Presidency running on separate tickets.


Sunday, February 3, 2013

A posse de João Goulart - 1961


Depois de várias manobras da banda anti-democrática do Exercito Brasileiro para barrar a volta do Vice-Presidente João Goulart ao Brasil, para ser empossado como genuíno Presidente do Brasil, devido à renúncia de Jânio Quadros em 24 Agosto de 1961, ele finalmente chegou à Brasília e assumiu seu legitimo posto em 7 de Setembro de 1961, embora emasculado pela introdução de um Parlamentarismo de Ocasião, imposto pela mesma camarilha reacionária que daria o duro golpe militar de April de 1964. 


João Goulart toma posse como Presidente do Brasil, na capa d' O Cruzeiro de 23 Setembro 1961.


Tarde de 7 de Setembro de 1961. Lotando todas as dependências do Congresso Brasileiro, uma multidão, em que se misturavam políticos e populares, assistiu ao desenrolar de um foto histórico: tomava posse o 1o. Presidente da República sob o regime parlamentarista, acabado de ser adotado no País. Terminava, com a posse do Sr. João Goulart, uma das crises politico-militares que mais prejuízos trouxeram à Nação. Texto de Ubiratan de Lemos d' O Cruzeiro.




David Nasser, colunista conservador d'O Cruzeiro escreve, do Hotel Waldorf Astoria, de New York, um artigo de 2 paginas esculhambando com o Congresso Nacional por ter se curvado à chantagem do setor militar na implantação do regime parlamentarista de 'exceção'. Nasser distila seu veneno anti-democrático dizendo: 'Ninguém de bom senso reconhece no Senhor João Goulart qualidades pessoais que o recomendem à Presidência. Mas, duas vêzes ele foi eleito Vice-Presidente...'  Isso mostra um profundo desprezo do sr. Nasser quanto aos milhões de eleitores que elegeram João Goulart duas vêzes para a vice-presidência, chamando-os a todos de não terem 'bom senso'.   


João Belchior Marques Goulart, Presidente do Brasil 


João Goulart em Lima, Peru, recebido pelo Ministro do Exterior daquele país, dá entrevista à imprensa, descrevendo o absurdo de ter sua volta 'barrada' por setores anti-democráticos do Exercito Brasileiro. Uma situação constrangedora em termos de diplomacia internacional, mas que em tempos de Guerra Fria, com os Estados Unidos à beira de intervir em vários países latinos, essa palhaçada era 'aceitável': bastava que João Goulart fosse caracterizado como 'comunista'... um estancieiro gaúcho, proprietário de terras 'comunista'; tudo era possível naquele tempo... como hoje, aliás. 

para detalhes sobre a viagem de volta de Jango veja:
http://www.sul21.com.br/jornal/2011/09/o-retorno-de-jango-em-fotos/


31 August 1961 - João Goulart ainda não tinha conseguido voltar ao seu País, sendo impedido por uma camarilha de militares reacionários. A solução foi Jango aterrissar em Porto Alegre-RS, onde o governador Brizola garantiria sua integridade física, já que o comando do Exercito no Sul era legalista, isto é, cumpridores da Constituição de 1946, ou seja lá qual Constituição escrita. 





João Goulart (sempre com um cigarro entre os dedos) assina autógrafos em Porto Alegre-RS.


João Goulart finalmente encontra com seu cunhado Leonel Brizola, governador do estado do Rio Grande do Sul, que fez tudo para que ele voltasse ao sul do País com segurança.


governador Leonel Brizola, defensor da Legalidade da posse do vice-presidente João Goulart. 


Manchete 30 Setembro 1961

O 'produto' João Goulart era imbatível. Um presidente fotogênico, tendo ao lado a primeira-dama mais bonita do pedaço (e olhe que Jacqueline Kennedy reinava na Casa Branca) além de um casal de filhos dos mais encantadores. Tudo que a direita golpista não precisava. Jango, que fora eleito como Vice-Presidente, mostrando que seu apelo popular era palpável, tornava-se presidente do país, com chances de eleger quem ele quisesse em 1965.

PARLAMENTARISMO DE OCASIÃO


Primeiro Ministro Tancredo Neves


1o. gabinete do Governo João Goulart: da esquerda à direita: Walter Moreira Salles (economia); General Segadas Viana (exercito); contra-almirante Angelo Nalasco de Almeida (marinha); brigadeiro Clovis Travassos (marinha); San Thiago Dantas-PTB-MG (exterior); Franco Montoro-PDC-SP (trabalho); Ulysses Guimarães-PSD-SP (industria & comercio); Armando Monteiro Filho-PSD-PE (agricultura); Virgilio Tavora-UDN-CE (viação); Gabriel Passos-UDN-MG (minas e energia); Estácio Souto Maior-PTB-PE (saúde); Oliveira Brito-PSD-BA (educação).  

O chamado 'Conselho de Ministros' era formado por 4 membros do PSD, 2 do PTB (partido do Jango, que portanto deveria ter mais membros), 2 da UDN (partido de oposição, que não deveria ter membro algum) e 1 do PDC (Partido Democrata Cristão). Portanto se vê que o 'governo' era um 'balaio de gatos'... um gabinete de 'coalizão'... uma excrescência que desafia a inteligência de qualquer cidadão do mundo. 

Esse Parlamentarismo de Ocasião foi concebido, gestado e implantado em 7 dias em 2 de Setembro de 1961, como exigência dos militares para que João Goulart pudesse assumir em 7 de Setembro. Note que o número cabalístico 7 aparece sempre. Só recorrendo à cabala e idéias de karma é que se pode entender a política nacional, tal o absurdo de posições e intransigência de uma ala podre das forças armadas aliada a bolsões de atrazo e reacionarismo civil.

Não só implantaram o Parlamentarismo, como também o gabinete inteirinho. O presidente, que num país qualquer do mundo, escolheria um partido para compor seu governo, aqui não teve papel algum. Quando João Goulart assumiu a Presidencia em 7 de Setembro, seu 'gabinete' já estava formado. Um Parlamentarismo feito no inferno? Manicômio seria mais acertado.

Aí estão as caras dos ministros do 1o. governo parlamentarista do Brasil no século XX. Na verdade isso nem seria 'parlamentarismo', pois a 'oposição' UDN estava incluida no governo. Poderia-se chamar isso de 'governo de coalizão' ou 'frente ampla', já que todos os partidos estão representados. Parlamentarismo à brasileira ou parlamentarismo à quartelada.

Primeiro-Ministro:

Tancredo Neves:  Setembro 1961 a Junho 1962
Justiça: Tancredo até 13 Outubro; Alfredo Nasser
Economia: Walter Moreira Salles
Exterior: San Tiago Dantas
Trabalho: Franco Montoro
Educação: Oliveira Brito

Brochado da Rocha:  Junho a Setembro de 1962
Justiça: Candido de Oliveira Neto
Economia: Walter Moreira Salles
Exterior:  Afonso Arinos
Trabalho: Hermes Lima
Educação: Roberto Lyra

Hermes Lima: Setembro 1962 a Janeiro 1963
Justiça: João Mangabeira
Economia: Miguel Calmon
Planejamento: Celso Furtado
Educação: Darcy Ribeiro


Leia mais em:  http://www2.camara.leg.br/comunicacao/institucional/noticias-institucionais/emenda-parlamentarista


o dinheiro que circulava no país era o Cruzeiro, tendo Getúlio Vargas na nota de 10.


Thursday, January 31, 2013

Fogo no Circo Americano 1961




Empresario Danilo Stepanovitch, cujo Circo Americano fizera uma longa temporada na Avenida Presidente Vargas antes de atravessar a Baia da Guanabara para se montar em Niterói.  


Presidente João Goulart, tendo seu Primeiro-ministro Tancredo Neves à frente, chegam ao lugar da tragédia do Circo Americano em Niterói em 1961.


Presidente João Goulart e 1o. Ministro Tancredo Neves em outro ângulo.